| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Diario do Administrador
Desde: 11/01/2017      Publicadas: 3      Atualização: 11/01/2017

Capa |  Noticia


 Noticia
  11/01/2017
  0 comentário(s)


Economia

Economistas preveem melhor cenário para o ano de 2017, entretanto, a retomada de produção e consumo ainda pode ser problemática. Virene Matesco, professora de economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o  Produto Interno Bruto (PIB), não crescerá mais que 0,5%. Segundo os especialistas, os meios para a recuperação da economia brasileira está em diversos setores. Entre os itens citados peloa analistas entrevistados está a melhora no cenário político, ainda muito abalado, a volta da confiança tanto entre empresário quanto em consumidores, e a aprovação de algumas medidas estabelecidas pelo legislativo.

Virene compara em sua declaração o Congresso como um trator que irá tirar o carro atolado – Brasil – da atual situação negativa. Por outro lado, enfatiza que o trator se encontra quebrado. A Professora da FGV indica que a tão falada reforma da Previdência é apenas um sinal para o mercado e para os investidores, pois o impacto da medida se acarretará a médio e a longo prazo na economia.

Se as notícias de Virene Matesco não são tão animadoras, André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos tem uma tese mais pessimista. Para ele, dificilmente investidores – tanto internacionais quanto nacionais – colocarão dinheiro no Brasil por conta da crise política que ocorre. André enxerga essa como a origem de todas as outras.

Divergindo ainda mais de Virene Mateso, Perfeito estima que o próximo PIB não será maior que 0,2%. O aumento em gastos da União para estimular a economia provavelmente resultaria em um resultado mais animador, para o economista. Todavia, ele reconhece que não existe condições políticas necessárias para tal ação, por causa de erros de governos antecedentes que tomaram esse tipo de medida.

 







Capa |  Noticia
Busca em

  
3 Notícias